O início de uma marca de moda, com Thelma Kaminski

Você é apaixonado por moda, tem conhecimento na área e está pensando em criar a sua própria marca? Saiba que isso é possível, com muito amor pelo trabalho, planejamento e boas ações de marketing.

Essa semana conversamos com Thelma Kaminski, gaúcha e estudante de moda, sobre o processo de criar uma marca de roupas e as principais características desse mercado. Se esse é o seu sonho, confere a nossa conversa!

 

Com o que você trabalha dentro da moda?

No momento estou estudando e planejamento a minha coleção para o trabalho de conclusão de curso. Mas estou com um projeto de iniciar minha própria marca/loja, espero conseguir abrir ainda este ano de 2019.

Qual foi a maior dificuldade que encontrou na área?

Na região de Porto Alegre/RS é muito difícil encontrar empregos na área. Estágios menos ainda e geralmente, quando há vagas, é para vendedora ou vitrinista, na área de criação é bem difícil.

Como você faz para se divulgar?

Eu tenho meu portfólio online, mas o que eu mais utilizo é o Instagram. Tenho três contas: a minha pessoal, a do meu brechó e uma para publicar tendências e novidades. No Facebook tenho uma página onde posto não só os trabalhos de moda, como também minhas artes.

Qual foi o maior aprendizado que já teve com sua carreira?

“Se você quer algo bem feito, faça você mesmo”. Me arrependo até hoje por ter dado um vestido, que eu vinha o semestre todo trabalhando em cima, para outra pessoa costurar.

Como lidar com as finanças sendo autônoma?

Como estou planejando a marca ainda, fiz uma tabela de todos os gastos para assim calcular o valor de cada peça. É preciso ter em visto o valor dos materiais do produto, os impostos, telefone, internet, transporte e ainda ter um lucro.

O que mais gosta na área da moda?

A parte criativa e a moda conceitual. Sempre fui ligada às áreas que envolvessem arte e a oda, apesar de ter outros ramos, também tem um lado mais artístico. Temos a liberdade de expressão, podemos fazer protestos, desconstruir padrões, etc.

 

Você tem ou está criando a sua própria marca? Deixe nos comentários um pouco de sua experiência!

 

 

Sucesso na revenda de cosméticos: entrevista com Bruna Gama

Empreender no mundo da beleza não significa apenas ter um estética ou criar os próprios produtos. A revenda de marcas famosas é uma outra forma de empreendedorismo que pode garantir uma renda e permitir que você trabalhe com o que ama.

Bruna Gama é moradora da região metropolitana de Porto Alegre e revendedora da marca Mary Kay desde 2015. Convidamos ela a falar de sua experiência e compartilhar conhecimento com quem deseja ingressar nesse mercado. Confira:

Como você faz para se divulgar?

De várias formas. Por exemplo, levando os produtos até o cliente, fazendo com que ele experimente e sinta o produto, fazendo dias de beleza em determinados locais (com parcerias) e publicando no Instagram, no Facebook e em grupos de WhatsApp.

Qual é a sua dica para fidelizar uma cliente?

Minha super dica para fidelizar, que eu acho muito importante, é fazer o cliente se sentir importante. Ter um bom atendimento, acho que isso é a chave do negócio.

Como administrar bem as finanças sendo autônoma?

Eu administro reservando um determinado valor, para guardar, e outro para pagar a fatura do cartão (com o pedido dos produtos). Já a outra parte é o valor que posso gastar.

Como prestar um melhor atendimento?

Acho que ser prestativa, pois acredito que não vendo somente produtos de beleza, e sim realço a autoestima da mulher. Isso é sensacional, fazer alguém se sentir importante.

E você, deseja começar a revender cosméticos ou já trabalha com isso? Deixe nos comentários um pouco sobre sua história!

Michelle Manfroi

Entrevista: empreender na estética com Michelle Manfroi

Nós da Velvet apoiamos o empreendedorismo na área de moda e beleza e adoramos ouvir depoimentos de pessoas reais. Desta vez conversamos com a Michelle Manfroi, dentista gaúcha dona do perfil @dentistavisagista no Instagram.

Michelle trabalha com harmonização facial na odontologia e também atua criando conteúdo para a internet. É um exemplo sobre como construir uma marca pessoal e usar as redes sociais a seu favor. Confira nossa conversa com ela:

O que mais lhe atrai em trabalhar com a área estética?

A estética é um mundo de magia. Com alguns toques a gente transforma o ser humano de fora para dentro e vemos a transformação inversa acontecer logo na sequência. Além de estar ligado à autoestima, é trabalhar com uma nova possibilidade: desmistificar a estética como sendo algo fútil e encorajar homens e mulheres a se amarem e se transformarem na melhor versão de si mesmos.

Por que decidiu empreender?

A veia empreendedora é de família e nunca me imaginei fazendo outra coisa na vida. Sempre vi felicidade em transformar sonhos em realidade.

Qual foi a sua maior dificuldade até aqui?

Este é o meu segundo negócio e empreender dentro da realidade econômica brasileira, equilibrando os pratos da balança mensalmente, continua sendo um desafio. Mas o maior de todos e também mais estimulante é que desta vez eu trouxe na bagagem a maternidade. Foi um divisor de águas na minha vida e ao mesmo tempo que consome o meu tempo de maneira integral, é o meu maior combustível.

Qual é a sua dica para quem deseja empreender?

Um sonho real, bem planejado e estruturado, o famoso sangue nos olhos, coragem e alguns bons mentores. Não existe segredo mágico, mas não desistir até chegar “lá” já é fazer diferente da maioria.

Curtiu as dicas da Michelle? Compartilha esse post com seus amigos que também são apaixonados por trabalhar com estética!

Identidade para marcas de moda: entrevista com Sabrina Soares

Você dá a devida importância para a identidade da sua marca? Pode ter um impacto gigantesco no seu negócio se o design não passar a mensagem correta para o público.

Para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto, conversamos com a designer Sabrina Soares, de 26 anos, formada pela ESPM-Sul. Ela comanda a Nosso Design, empresa especializada na área. Confira a entrevista:

 

Qual é a importância de as marcas terem uma identidade visual?

A identidade visual é o primeiro contato com o cliente. Por isto é muito importante causar um bom impacto no público-alvo, buscando uma ligação entre seu negócio e o cliente.

Tem como objetivo transmitir, através dos conjuntos de elementos visuais (símbolos, cores, tipografias, entre outros), a missão, visão e valores da companhia.

Mas a identidade visual vai além do seu logotipo, ela se expressa nos materiais gráficos, uniformes, pontos de venda… Por isso devem ter a mesma unidade. E é neste momento que notamos a importância do profissional de design. Mais do que criar uma marca, deve criar uma identidade visual.

 

Quais são os cuidados básicos que todos devem ter com o design nas redes sociais?

As redes sociais têm ganhado um espaço significativo dentro das empresas. Além de promover seus serviços e aumentar o reconhecimento, elas criam vínculos com o público.

Sendo assim, elas também têm grandes responsabilidades, como: trazer envolvimento frequente (pois quem não é visto não é lembrado), publicar, além de serviços, datas comemorativas ou assunto relevantes, notícias da área, entre outros. Mas todos estes assuntos devem seguir os princípios da empresa, expressar a confiança, inovar e principalmente, facilitar ao cliente.

 

Como é o processo de criação de logotipos?

Existem diferentes métodos de criação, eu costumo me guiar pelas etapas do designer Bruno Munari.

Ao todo são 12 etapas: problema, definição do problema, componentes do problema, coleta de dados, análise de dados, criatividade, materiais e tecnologia, experimentação, modelo, verificação, desenho de construção e solução. Os primeiros tópicos servem para entender as prioridades dos clientes e sobre a essência da empresa, as demais etapas se tratam de criação.

 

O que uma identidade visual deve refletir, no caso de uma marca de moda?

Quando falamos em marcas no ramo da moda, devemos ir além do design. Deve-se levar em consideração o posicionamento sobre o mercado e a percepção do cliente.

Uma vez que o mercado da moda está cada vez mais competitivo, o ideal é investir em ações de marketing, com o objetivo de atrair atenção e empatia. Outro aspecto que as empresas devem ficar atentas são as tendências, responsáveis pelo engajamento.

 

Já está inspirado para revolucionar a sua marca com a ajuda de uma boa estratégia de marketing? Entre em contato para conhecer nossas soluções!

Empreendedorismo na saúde: entrevista com Josiane Mahl

Quem também adora aprender com a experiência de pessoas que já trilharam o caminho que queremos? Por isso gostamos muito de publicar entrevistas aqui no blog. A participante da vez é a nutricionista Josiane Mahl, de Esteio/RS.

 

Josiane tem 23 anos e já é pós-graduanda, além de ter parcerias com diversas academias da região e auxiliar atletas a conquistarem melhores resultados. Confira como foi a conversa:

 

Como é ser uma profissional autônoma na área da saúde?

 

Não é fácil. Ser empreendedor na área da saúde é topar um desafio duplo, pois temos que desenvolver habilidades que vão muito além daquelas que nos são ensinadas em sala de aula.

 

É preciso ter uma base técnica muito forte para que a insegurança e falta de estabilidade financeira não dominem a situação no início da jornada. Também é necessário um bom investimento em autopromoção para que os clientes saibam de sua existência. A manutenção da clientela é feita através da excelência na execução do trabalho esperado.

 

Como você escolhe as empresas e clínicas que serão suas parceiras?

 

Atualmente tenho parceria com duas clínicas, uma estética e três academias. A oportunidade de parceria com as clínicas e a estética foram convites realizados pelas gerentes dos locais.

 

Em relação às academias, o desejo de fechar parcerias surgiu por minha vontade de estar atuando na nutrição esportiva, minha área de especialização. Por conta disso fui até diversas academias do bairro da minha cidade para tentar fechar parceria, consegui em duas delas. A terceira surgiu como um convite feito por conta de indicação do meu trabalho.

 

Quais são os pontos positivos e negativos de fazer o próprio horário?

 

É ótimo poder organizar a rotina e meu tempo sem ter que dar explicações para ninguém. A mobilidade de encaixes de diversos outros compromissos durante a semana é incrível, parece que o tempo rende muito mais.

 

Em relação às desvantagens, não creio que seja um ponto ruim, porém é preciso um nível alto de organização e comprometimento para que todos os horários que envolvem principalmente os clientes sejam cumpridos na hora combinada.

 

O que você faz para se destacar no mercado da Nutrição?

 

Tento desmistificar a nutrição, trazendo a visão que uma alimentação saudável deve ser baseada no equilíbrio, sem restrições absurdas e adequada as necessidades biológicas, sociais, econômicas e sentimentais de cada indivíduo.

 

Infelizmente, circula muita informação errada neste meio e as pessoas estão cada vez mais confusas. Para se destacar na área da saúde, acredito que a empatia é uma qualidade fundamental.

 

Dê uma dica para as futuras nutricionistas.

 

Para as empreendedoras? Confiança. atitude e persistência. É preciso confiança ao passar informações técnicas ao paciente para que ele entenda e consiga aderir as mudanças de hábitos alimentares propostas.

 

Para isso é necessário estudar (e muito), além de desenvolver a habilidade de comunicação. Atitude é fundamental para que nosso trabalho seja visto e nosso nome seja lembrado.

 

Persistência é o caminho para o sucesso independente da área ou profissão, porém, primeiramente é preciso acreditar na própria capacidade e vontade de fazer a diferença na vida de quem nos procura.

 

E você, sonha em ter o próprio negócio? Deixe nos comentários!